Covid-19 afeta o 68º aniversário do Massacre de Batepá

A cerimónia do 68º aniversário do Massacre de Batepá de 3 de fevereiro de 1953 foi diferente em relação aos anos anteriores. Por causa da pandemia da Covid-19, a atividade teve um público restrito, e nem houve a tradicional marcha da liberdade. Como é habitual, a comemoração aconteceu em Fernão Dias, local onde vários escravos são-tomenses perderam a vida.

A atividade contou com a presença do Presidente da República, Presidente da Assembleia Nacional, Presidente do Tribunal de Contas, Silvestre Leite (Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça), ministro do Turismo e Cultura, membros do Governo, Procurador Geral da República, líderes parlamentares e deputados da Assembleia Nacional, Presidentes das câmaras distritais, membros do corpo diplomático e representantes das organizações internacionais e representantes das conficções religiosas.

A cerimónia foi marcada pelo hastear da bandeira nacional, proclamação do Hino Nacional pela banda das Forças Armadas de STP, deposição da coroa de flores e o acender da tocha pelo Presidente da República e o momento de oração. Neste último, os representantes de diferentes religiões presentes tiveram 5 minutos para fazerem uma oração.

 

Compartilhar :

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.