Já ouviste falar da ONG Fundação Príncipe Trust? Conheça aqui, alguns projetos desenvolvidos pela ONG em prol do desenvolvimento da Ilha do Príncipe.

Nenhuma descrição de foto disponível.

ONG Fundação Príncipe Trust

Fundação Príncipe Trust (FPT),  uma ONG de Conservação sediada na Ilha do Príncipe, São Tomé e Príncipe, criado em 2015 com o objetivo de reorganizar o braço ambiental e social (responder aos desafios do Príncipe, como Reserva Mundial da Biosfera da UNESCO, e à estratégia regional de desenvolvimento sustentável) da empresa de investimentos turísticos HBD que, desde 2011, tem implementado projetos deste cariz como estratégia complementar ao turismo para alcançar o desenvolvimento sustentável da Ilha.

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas em pé e pessoas sentadasO projeto tem como visão: Um Príncipe pristino como futuro dos Principenses, no coração do mundo. Gerar oportunidades de desenvolvimento económico e social, INSPIRANDO as gerações atuais e futuras através – e para – a conservação da biodiversidade.

Missão:  ACREDITAMOS  no envolvimento das comunidades locais na conservação da natureza, fortalecidos pela comunidade internacional. Que a capacitação, tanto interna como da sociedade civil, é essencial para atingir a nossa missão. Na honestidade e transparência nas relações com todas os atores interessados. Na igualdade de oportunidades para todos, sem discriminação.

Atualmente a ONG Fundação Príncipe Trust tem estado a desenvolver o projeto Bumbu d’Iê: Um doce futuro para o Príncipe  que teve o início em Julho 2017 e termina este ano (Julho 2019). O objetivo do projeto é Promover a apicultura e agro-floresta como alternativas de rendimento e modo de vida no Príncipe, incentivando uma melhor gestão das florestas e restauração das áreas degradadas.

E o projeto Captura Zero para promover uma mudança de atitude da população em relação a proteção e conservação da biodiversidade e principalmente das tartarugas marinhas da ilha de Príncipe, através de ações de sensibilização e de educação ambiental. Essas ações estão a ser desenvolvidas, numa lógica de médio/longo prazo e em estreita cooperação com o Governo Regional e outros atores, desde 2016 e são necessárias para apoiar e complementar as atividades de proteção e monitorização do Projeto PROTETUGA.

Para além desses projetos, em 2015 a ONG dedicou  grandes esforços para assegurar ofertas de formação para a sua equipa e também para os técnicos das entidades regionais. No mesmo ano criou o projeto, Conservação das Tartarugas Marinhas, cujo o objetivo é garantir  os esforços para conservação das tartarugas marinhas, como recolha de dados de nidificação das 3 espécies de tartarugas marinhas que nidificam nas praias.A imagem pode conter: 2 pessoas, ar livre e natureza

 Não obstante disso, em 2016 criou os projetos: Observação de Baleias que consiste em promover a integração da comunidade jovem da Ilha do Príncipe na conversação da Natureza, através de estágios de verão para observação de cetáceos, contribuindo assim para a ampliação do conhecimento destas espécies que utilizam as nossas águas, contribuindo ainda para um maior conhecimento da situação da população de cetáceos que utilizam as águas da Ilha do Príncipe. Trilhos da Biosfera – objetivo,  criar oportunidades de desenvolvimento social e económico através da oferta de iniciativas para o Turismo Ecológico e Sustentável e através da formação e capacitação de Guias locais. Cooperativa de Valorização de Resíduos (CVR) –  Hoje, a CVR tem 10 famílias cujo rendimento provém inteiramente da produção de composto, valorizando 80% dos resíduos da Ilha e da transformação de vidro em jóias únicas e originais feitas inteiramente no Príncipe.

Omali Vida Nón –  o projeto “Omali vida nón” pretende promover uma melhor gestão dos recursos marinhos na ilha de Príncipe através da participação daqueles que são principalmente afetados – os pescadores e as palaiês. Ao promover o trabalho em conjunto e tomadas de decisão dos vários atores envolvidos, pretendemos contribuir para a resolução de desafios atuais no sector da pesca artesanal no Príncipe, incluindo o uso de práticas de pesca não sustentáveis.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, planta, árvore, ar livre e naturezaAmostragem Botânica da Ilha do Príncipe, Outubro 2016 – Março 2018, finalidade, realizar o levantamento botânico das espécies do Príncipe para preencher as lacunas de conhecimento para a ciência, criar ferramentas para a gestão do Parque Natural do Príncipe e avaliar o status de conservação das espécies e áreas. A primeira fase do Projeto realizou-se em 2016, no maior esforço de recolha e formação botânica já realizada no Príncipe e que tiveram como resultado sete novas espécies ou novos registos potenciais para a Ilha.

 

A imagem pode conter: oceano, montanha, ar livre, água e naturezaAvaliação dos habitats de Corais da Ilha do Príncipe  Em dezembro de 2016, os guardas marinhos receberam formação na metodologia Reef Check. O objetivo principal é usar um método mundialmente reconhecido para avaliar a saúde e a diversidade dos recifes de coral da Ilha do Príncipe, através da presença e abundância ao longo de um transecto de cinto de espécies indicadoras de peixes e invertebrados, ao mesmo tempo em que observa o impacto humano e a doença dos corais.

 

Avaliação das populações de Aves Marinhas das Ilhas Tinhosas – Janeiro 2017Resultado de imagem para Aves Marinhas das Ilhas Tinhosas

As Ilhas Tinhosas são internacionalmente reconhecidas como IBA’s (Áreas importantes para aves) e acolhem, provavelmente, a maior colónia de aves marinhas do Golfo da Guiné. A Fundação Príncipe Trust, em colaboração com as entidades Governamentais, pretende avaliar o real estado das populações das várias espécies de aves marinhas que ali vive, bem como avaliar a sazonalidade e impactos a que estão sujeitas, de maneira a suportar a criação de leis de proteção destas importantes ilhas.

Iniciativa Arribada – Sistema “pit-stop” para Tartarugas Verdes – Junho 2017

https://external.fopo3-2.fna.fbcdn.net/safe_image.php?d=AQBKVGgU97KOtySt&w=476&h=249&url=https%3A%2F%2Ftimes.safari.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F2019%2F03%2Fsea-turtle-hatchling-praia-grande-protetuga-principe-1.jpg&cfs=1&upscale=1&fallback=news_d_placeholder_publisher&_nc_hash=AQDV559OvlKfNhenA Fundação Príncipe Trust aliou-se a Alasdair Davies e ao projeto Arribada no desenvolvimento de um novo tipo de transmissor e de uma nova metodologia de aplicação, de maneira a reduzir drasticamente o custo de marcar uma única tartaruga marinha verde para adquirir dados espaciais com GPS e/ou dados vídeo de comportamento.

O objetivo é fornecer acesso ao rastreamento de tartarugas marinhas e monitorizar o seu comportamento, reduzindo significativamente o custo deste tipo de tecnologias O projeto Arribada visa também a promoção e a divulgação da utilização de novas tecnologias da conservação, através da inclusão das comunidades locais nas iniciativas de estudo e preservação das espécies. Com esse intuito, nasceu o ‘Clube Arribada’, que oferece aulas gratuitas a crianças do ensino básico de Santo António, onde se aprende Ciência Computacional, Programação, entre outras matérias.

Resultado de imagem para facebook iconhttps://www.facebook.com/FundacaoPrincipe/

 

Compartilhar :

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: