Together2change De Mulher Para Mulher

Sé a mudança que se quer ver no mundo

https://instagram.fopo3-2.fna.fbcdn.net/vp/8b807b963125d9d5e770bf4702ec7d71/5D41D775/t51.2885-19/s150x150/51010855_2106822106103974_1820703182997684224_n.jpg?_nc_ht=instagram.fopo3-2.fna.fbcdn.netA imagem pode conter: Silvania de Barros'h, a sorrir, em pé

A together2change foi criado pela Silvania de Barros no âmbito da participação da 3ª edição do programa De Mulher Para Mulher – DMPM3, promovido pela Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidade entre Mulheres e Homens – REDE.
Durante o processo de capacitação e desenvolvimento de competências, enquanto participante apresentou o seu projeto “Do que falamos? Conversas de café improváveis”  que consistiu num ciclo de conversas dividido em duas sessões com temas relacionados com a (in) visibilidade da mulher negra na sociedade Portuguesa .

Quais os valores desta iniciativa ?

Esta iniciativa pretendeu criar espaço de conversas  apresentando rostos e vozes ( in) visíveis desafiados/as a discutirem/refletirem/partilharem experiências, conhecimentos em ambiente informal e intimista.
O 1º ciclo de conversas improváveis arrancou com o tema Ser jovem negra em Portugal com jovens que nasceram cá e que cresceram ou atualmente estão residindo no país. São jovens ativas que têm desenvolvido estudos  e trabalhando no ativismo em questões de representatividade, acesso à oportunidade (na educação e no mercado de trabalho), solidão negra, identidade ( definição de quem são Portugueses/ Naturalidade vs Nacionalidade), cultura e ancestralidade e o assédio.

Inserindo a iniciativa na celebração do mês da mulher, onde a sociedade é chamada à refletir sobre o papel da mulher, suas potencialidades e os seus direitos foi  trazido para o segundo dia de conversas improváveis o tema sobre “Associativismos em prol dos direitos das mulheres” destacando as minorias, com representação de algumas organizações e associações ( Plataforma Portuguesa pelos Direitos das Mulheres, Femafro e a INMUNE)  que deram à conhecer os seus trabalhos  em prol dos direitos das mulheres, de mulheres negras, africanas e afro-descendentes em Portugal,  a pertinência de criação de mais organizações e associações que defendem  os direitos das mulheres e o seu empoderamento que chegue a mais jovens e mulheres no país, com atuação em diferentes frentes cobrindo toda a região do país e respondendo as necessidades e os problemas das mesmas entre muito outros desafios  construir aliança entre mulheres através de empatia e companheirismo – sonoridade.

O 1º ciclo de conversas improváveis contou com a participação em massa de jovens negras e negros, associações de estudantes dos países africanos e entre outros/as convidados/as que aceitaram o convite elogiaram a iniciativa e saíram de cada evento impactados/as com as partilhas e troca de experiências.
O grupo pretende continuar  dinamizando  mais espaço de conversas para promoção do  empoderamento da mulher negra, africana e afro-descendente trazendo rostos e vozes (in)visíveis e silenciadas. Incentivar as jovens mulheres negras, africanas e afro-descendentes a se tornarem participativas nos lugares de fala e de poder político exigindo os seus direitos e mais políticas publicas para as minorias.
Há uma nova geração de ativistas e intelectuais negras em Portugal que colocam questões na agenda do movimento negro feminino  sobre a identidade e o seu lugar no país, o padrão de beleza e as representações como loucos de dominação e resistência da mulher negra, a falta de representatividade e bloqueio da mobilidade social. Muitas das jovens e mulheres negras têm dado contributos significativos em vários campos da sociedade Portuguesa.

A together2change ainda esta a cozinhar outros novos projetos a serem apresentados para breve.

 

IMG_2922
df8f0d96-fe80-4b11-9cc1-1cb04d79f004
IMG_3112
0f0e4eca-1e19-4c33-afd3-2ee397a6f2eb
2be7b404-50df-409f-8c2e-2153d86182b1
919f7e6b-266d-4c3e-8bd0-c75e65e73800
51eb1c96-aa99-407d-b4d3-bb129542cf4e

 

 

 

Compartilhar :

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: